Tomossíntese é capaz de detectar 34% mais tumores do que a mamografia tradicional

Também conhecido como Mamografia 3D, exame tem se mostrado mais eficaz que o método de diagnóstico tradicional

Um estudo publicado recentemente na revista científica Lancet Oncology, concluiu que um novo método de exame de diagnóstico de câncer de Mama, a tomossíntese, é capaz de detectar 34% mais tumores do que a mamografia tradicional, além de proporcionar um tempo menos de compressão da mama durante o exame.

Também conhecido como Mamografia 3D, o exame pode ajuda a reduzir a dor, o que faz com que muitas mulheres não façam o exame de mamografia na periodicidade indicada. Segundo matéria publicada pelo site Veja, da Editora Abril, a pesquisa, conduzida pela Universidade de Lund e pelo Hospital Universitário Skåne, na Suécia, rastreou 15.000 mulheres em um período de cinco anos. Na mesma reportagem, Sophia Zackrisson, uma das autoras do estudo, professora associada da Universidade de Lund e radiologista do Hospital Universitário Skåne, afirma que “há uma necessidade de melhorar a triagem para muitas mulheres, e a tomossíntese da mama é claramente o método mais adequado para o rastreio do câncer de mama.”, que ainda completa que “Isso pode incentivar mais mulheres a participarem da triagem”.

O mesmo estudo porém faz uma ressalva sobre um maior número de alarmes falsos. Leia a matéria completa Veja Online