Câncer Retal: Nova técnica de imaginologia descarta cirurgia

O novo procedimento permite a distinção entre os gânglios benignos e malignos 

Uma nova técnica de imaginologia, chamada Susceptibility Perturbation Magnetic Resonance Imaging (SPI), promete ser capaz de determinar com alta precisão, antes da cirurgia, metástases nos gânglios linfáticos do mesorreto em pacientes com câncer retal. O procedimento foi descoberto pela equipe do Centro Champalimaud de Lisboa, em Portugal.

Segundo informações do site Diário da Saúde, o método convencional para tratar este tipo de câncer consiste na remoção do tumor, do reto e do tecido envolvente – que é chamado mesorreto. Após a cirurgia, é feita a análise da amostra recolhida e, só posteriormente, o médico irá sugerir o melhor tratamento para o paciente. 

Com a nova técnica, que além de não ser invasiva, o procedimento de imaginologia por ressonância magnética (IRM) permitirá fazer a distinção entre os gânglios benignos e malignos antes da cirurgia que remove as áreas afetadas. “Acreditamos que a SPI pode representar uma mais-valia [um ganho] na seleção dos doentes que irão receber radioterapia e quimioterapia pré-operatória”, afirmou a coordenadora da pesquisa, Dra. Inês Santiago. 

Ainda de acordo com a publicação, isso exigiu uma adaptação dos escâneres clínicos, que possuem campos magnéticos mais baixos do que o que é necessário pela técnica SPI. Agora, a equipe está trabalhando para otimizar a SPI nos aparelhos usados pelos laboratórios e validar os resultados, alargando o estudo a outros centros.

Leia a matéria completa neste link.