Regularize seus débitos
Chame no   (11) 98644-0440

Clique aqui e regularize seus débitos



(11) 98644-0440

WhatsApp



Como melhorar a proteção de pacientes submetidos a exames de imagem médica frequentes

O tema foi pauta do encontro virtual, promovido pela IAEA, que reuniu mais de 90 especialistas de 40 países, 11 organizações internacionais e organismos profissionais especialistas em proteção contra a radiação

Acervo IAEA – Foto: de L. Dojcanova

Entre os dias 19 e 23 de outubro, a Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA, sigla em inglês), localizada na cidade de Viena, Áustria, em uma reunião virtual, discutiu o progresso obtido para reduzir os riscos relacionados à radiação – enquanto mantém os benefícios – para pacientes que precisam de imagens médicas frequentes. Durante a reunião os participantes analisaram o impacto e as ações concretas necessárias para fortalecer as diretrizes de proteção do paciente, assim como, as soluções tecnológicas para monitorar o histórico de exposição do paciente, avaliando os esforços globais para melhorar continuamente a proteção destes pacientes contra a radiação.

Para Peter Johnston, Diretor da Divisão de Radiação, Transporte e Segurança de Resíduos da IAEA, é fundamental estabelecer medidas concretas para melhorar a justificativa para tais imagens e otimizar a proteção radiológica para cada paciente submetido a tal diagnóstico e tratamento. “Todos os dias, milhões de pacientes se beneficiam de imagens de diagnóstico, como tomografia computadorizada (TC), raios-X e procedimentos intervencionistas guiados por imagem procedimentos de medicina nuclear, mas com o aumento do uso de imagens de radiação vem a preocupação com o aumento associado da exposição à radiação dos pacientes”, disse Peter.

De acordo com o relatório UNSCEAR 2008,  mais de 4 bilhões de procedimentos de diagnóstico radiológico e de medicina nuclear são realizados mundialmente a cada ano. Os benefícios desses procedimentos superam em muito os riscos de radiação quando são realizados apenas quando clinicamente justificado, usando a exposição mínima necessária para atingir o objetivo de diagnóstico ou tratamento exigido.

A dose de radiação de um único procedimento de imagem é muito baixa, variando tipicamente de 0,001 mSv a 20-25 mSv, dependendo do tipo de procedimento. Isso é comparável à exposição natural à radiação de fundo que uma pessoa recebe de alguns dias a alguns anos. “No entanto, os riscos de radiação podem aumentar quando um paciente passa por uma sequência de procedimentos de imagem envolvendo exposição à radiação, especialmente se eles forem realizados em curtos períodos de tempo”, disse Jenia Vassileva, especialista em proteção contra radiação da IAEA.

O encontro reuniu mais de 90 especialistas de 40 países, 11 organizações internacionais e organismos profissionais e entre os participantes incluíram especialistas em proteção contra radiação, radiologistas, médicos de medicina nuclear, clínicos, físicos médicos, tecnólogos de radiação, radiobiologistas, epidemiologistas, pesquisadores, fabricantes e representantes de pacientes.

Rastreando a exposição à radiação de pacientes

O registro preciso e regular, o relatório e a análise das doses de radiação do paciente em centros médicos podem ajudar a aprimorar o gerenciamento da dose sem a perda de informações de diagnóstico. As informações rastreadas de exames e doses anteriores de um paciente podem contribuir para prevenir exposições desnecessárias.

O destaque na reunião foi um projeto IAEA 2009 – projeto Smart Card – que atualmente forma a base de uma metodologia para rastrear o histórico de exposição. Este projeto incentivou a indústria a desenvolver sistemas eletrônicos e soluções de software para monitoramento e rastreamento de exposição, pois mais doses significam maiores riscos para os pacientes.

Radiologista revisando tomografias computadorizadas de um paciente. (Foto: L. Dojcanova / IAEA)

“Como resultado da maior utilização de sistemas de monitoramento de exposição à radiação, os dados disponíveis demonstram que o número de pacientes que acumulam dose efetiva de 100 mSv e superior em alguns anos de procedimentos recorrentes de tomografia computadorizada é maior do que anteriormente conhecido e estimado ser em um milhões de pacientes globalmente por ano ”, disse Madan M. Rehani, Diretor de Alcance Global para Proteção contra Radiação no Hospital Geral de Massachusetts nos Estados Unidos e presidente desta reunião. “Um em cada cinco desses pacientes provavelmente tem menos de 50 anos de idade, onde os efeitos da radiação são mais preocupantes, se os pacientes têm uma expectativa de vida mais longa e, portanto, uma maior chance de desenvolver câncer devido à maior exposição à radiação”, completa.

A dose efetiva medida em milisieverts (mSv) é uma quantidade que descreve os efeitos da exposição à radiação em órgãos e tecidos e, é a principal quantidade usada na proteção contra radiação. Indica a probabilidade de efeitos de radiação de longo prazo, principalmente o risco de desenvolver câncer por exposição. Com base no conhecimento atual dos estudos epidemiológicos, doses mais altas contribuem para o aumento dessa probabilidade.

Caminho a seguir
Os participantes concluíram que se faz necessário uma orientação eficaz e aprimorada para pacientes portadores de doenças de longo prazo em condições que requerem imagens frequentes. Eles concordaram que o rastreamento da exposição à radiação precisa ser amplamente utilizado e integrado a outros sistemas de informação de saúde para obter melhores resultados. Além disso, enfatizaram a necessidade de desenvolver mais equipamentos de imagem que usem doses mais baixas e ferramentas de software de monitoramento de dose padronizadas para uso em todo o mundo.

Mas as máquinas e sistemas melhores por si só não são suficientes. São os usuários, incluindo médicos, físicos médicos e técnicos os responsáveis ​​pelo uso ideal dessas ferramentas avançadas. Portanto, é importante que eles recebam treinamento apropriado e as informações mais recentes sobre os riscos da radiação, compartilhem conhecimento e experiência e se comuniquem de forma aberta e transparente sobre os benefícios e riscos com os pacientes e cuidadores.

 

Artigo de , em tradução livre por CRTR-SP